Início > Sem categoria > Um toque de celular como pretexto para dizer da beleza (com agradecimentos aos lusitanos)

Um toque de celular como pretexto para dizer da beleza (com agradecimentos aos lusitanos)

Geralmente, os toques de celulares são uma coisa terrível – os que vêm com os telefones e os que as pessoas colocam (sejam eles músicas ou alguma gracinha qualquer). Daí, é um telefone tocar e eu, de imediato, ficar um pouco descontente.

Uma de minhas irmãs (minhas irmãs, Sandra e Solange, têm bom gosto musical) escolheu para o telefone um toque tão bonito que, sempre que alguém lhe telefona, eu fico contente (a não ser quando ela está distante do telefone e eu preciso pegar o aparelho e levar para ela).
O que ouço quando alguém telefona para minha irmã Solange é um trecho de uma música do grupo Madredeus (com letra e melodia de Pedro Ayres Magalhães):

Aqui, a letra:

HAJA O QUE HOUVER
Madredeus

(letra e música Pedro Ayres Magalhães)

Haja o que houver
Eu estou aqui
Haja o que houver
espero por ti

Volta no vento ô meu amor
Volta depressa por favor
Há quanto tempo, já esqueci
Porque fiquei, longe de ti
Cada momento é pior
Volta no vento por favor…

Eu sei quem és
pra mim
Haja, o que houver
espero por ti…

Há quanto tempo, já esqueci
Porque fiquei, longe de ti
Cada momento é pior
Volta no vento por favor

Eu sei quem és
pra mim
Haja, o que houver
espero por ti…

E por estar agora tomado de algum espírito lusitano, lembro-me de um belo poema que também trata de distância – desta vez, irremediável. Poema da enorme poeta Sofia de Melo Breyner Andresen (Porto, 6 de Novembro de 1919 — Lisboa, 2 de Julho de 2004), cujo nome já é uma melodia:

MEDITAÇÃO DO DUQUE DE GANDIA SOBRE A MORTE DE ISABEL DE PORTUGAL

Sofia de Melo Breyner Andresen

Nunca mais
A tua face será pura limpa e viva
Nem o teu andar como onda fugitiva
Se poderá nos passos do tempo tecer.
E nunca mais darei ao tempo a minha vida.

Nunca mais servirei senhor que possa morrer.
A luz da tarde mostra-me os destroços
Do teu ser. Em breve a podridão
Beberá os teus olhos e os teus ossos
Tomando a tua mão na sua mão.

Nunca mais amarei quem não possa viver
Sempre,
Porque eu amei como se fossem eternos
A glória, a luz e o brilho do teu ser,
Amei-te em verdade e transparência
E nem sequer me resta a tua ausência,
És um rosto de nojo e negação
E eu fecho os olhos para não te ver.

Nunca mais servirei senhor que possa morrer.

(in “Mar Novo”, 1958)

No vídeo acima, o poema é dito pela atriz portuguesa Rita Loureiro.

É linda a dicção lusitana em seus grandes poetas.

Anúncios
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: