Início > Sem categoria > O Tempo

O Tempo

Tempos: No Tempo

Bastante encimada,
bem alta, a trouxa,
o peso sem massa.

Sob ela, o rosto,
centro da cabeça:
um olho, outro olho.

Como pé-de-mesa,
seu pescoço liso;
os ombros por cerca.

Braços estendidos,
as mãos espalmadas,
dois traços, dois riscos.

O tronco, não largo,
vem antes das pernas,
abertas qual arco.

E os pés, os seus pés,
se esforçam em reter
o raro equilíbrio,
pisando o seu piso,
duro e movediço.
Às costas, o abismo.
De um lado há um nada;
do outro, outro nada —
e à frente o vazio.
E a trouxa se alarga
e a trouxa só pesa
e a trouxa o encarca.
E os olhos, cansados,
se vêem, nada vêem.
E a trouxa se assoma
e a trouxa se arde.
E os pés pisam ovos,
e as cascas se abrem.
E os cheiros se sobem,
ou doces ou acres.

Anúncios
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: